Beauty Fair e L'Oreal Produtos Profissionais organizam Fórum de Líderes de Salões de Beleza juntos pela segunda vez

Beauty Fair e L'Oreal Produtos Profissionais organizam Fórum de Líderes de Salões de Beleza juntos pela segunda vez
O mercado de profissionais em salões de beleza é setor forte e altamente promissor dentro da indústria de beleza no País, movimentando somas gigantescas de dinheiro pelo Brasil. Porém, mesmo sendo um terreno fértil, ainda são necessários passos para levar o seu desenvolvimento adiante. A quantidade de salões atualizados de fato com a modernidade, em sinergia com as tendências ? nacionais e internacionais ? ainda é uma parcela pequena, quando comparada com a totalidade. 

Desde 2008 a L'Oréal Produtos Profissionais procura promover discussões e o aprendizado coletivo do setor, levando insights de mercado, tendências e estatísticas importantes para donos de salão, marcas atuantes e profissionais da beleza através do Fórum de Líderes de Salões de Beleza. Com um começo tímido, girando em torno de cinco a dez pessoas, longe da magnitude e do apoio que evento recebe hoje em dia. Entretanto, na sua edição mais recente, nos dias 19 e 20 de junho, o fórum contou com mais de 400 pessoas de diferentes esferas da indústria da beleza, contando com mais de 10 painéis expondo tendências, cases de sucesso e conversas entre especialistas do setor ou relacionados indiretamente.

Agora, pela segunda vez consecutiva, a L'Oréal Produtos Profissionais contou com o apoio da Beauty Fair, maior feira das Américas do segmento de beleza. Contando também com o apoio da Associação Brasileira de Salões de Beleza e do Sebrae, o fórum girou em torno de dois assuntos muito importantes para o segmento: o universo digital e a aprovação da Lei Salão Parceiro, um marco recente para todos os profissionais de beleza cujas necessidades atuais demandam maior dinamismo e flexibilidade, regularizando uma prática já adotada em vários salões: profissionais autônomos que ganham uma parte do faturamento do serviço prestado. O grande diferencial nesta lei está na ausência do vínculo empregatício entre salão e profissional, atuando autonomamente. 

O primeiro dia de discussões começou às 13:00 com um welcome coffee, tendo o início da primeira palestra às 14:00. Durante essa primeira hora, a jornalista especialista em economia, Miriam Leitão,  explicou de forma sucinta o panorama econômico que o País tem atualmente e como a instabilidade político-econômica impacta ainda o setor de beleza, especificamente o cenário dos salões e seus profissionais. Segundo a jornalista, a situação estava começando a melhorar, porém com as denúncias de corrupção feitas contra Michel Temer voltaram a desacelerar os processos reformistas e remediadores que o governo vinha realizando, uma vez que suas forças vem se concentrando apenas em se manter vigente. Passada essa parte mais pessimista, Miriam reconheceu que, apesar de tudo, já passamos pelo pior da crise. Temos, atualmente, uma balança comercial em superávit ? ou seja, exportamos mais do que importamos ? e temos uma grande reserva de dólares nos nossos bancos, ambos fatores que, em meio à tempestade da crise, nos fortalecem economicamente e proporcionam um horizonte de águas mais calmas, mesmo que ainda distante. Por fim, a apresentadora do canal Globonews afirmou que a prosperidade do setor está justamente na expertise dos profissionais na diversidade, seguindo as tendências mais recentes com relação principalmente às clientes cacheadas. 

Em seguida, a segunda palestra do dia contou com Alberto Serrentino, fundador da Varese Retail e com experiência de 30 anos em varejo e consumo. Seguindo um pouco na mesma linha de Miriam, ele começou afirmando que passamos por um processo de restauração de confiança e de crescimento, principalmente no varejo. Porém, ainda afirmou que vivemos um momento difícil, onde apenas as empresas mais fortes sobreviverão, com um tom até mesmo Darwinista, essa fase econômica serve como uma depuração de mercado, ensinando empresas a aumentarem sua produtividade com equipes mais enxutas, na visão dele. Depois de abordar o ponto de fortalecimento decorrente da crise, outro pilar de sua fala foi a transformação digital que os negócios precisam passar para se manterem competitivos no mercado. Com a aprovação da Lei Salão Parceiro, diversos outros serviços e canais foram abertos que possibilitam uma relação muito melhor entre marcas, negócios e consumidores, com Alberto dando o exemplo do aplicativo da Panvel onde as compras podem ser realizadas diretamente pelo celular, além de outros serviços. Finalizando, Serrentino afirmou que os salões devem seguir o exemplo das lojas atualmente que, com a geração Z querendo muito mais uma experiência no ponto físico e menos atrito, investiram nos pontos de venda muito mais como conceito do que somente uma loja. Muito enfatizado, o fato dos salões conhecerem suas clientes é fundamental para saber o que é necessário investir, o que é necessário modernizar.

Após um coffee break, a terceira palestra do dia foi feita por Andrezza Torres, coordenadora nacional de serviços em Beleza e Bem-Estar do SEBRAE Nacional. O início de sua apresentação passou pelo quanto que os salões de pequeno e médio porte e profissionais individuais que, segundo os dados levantados por ela, indicam um potencial de chegar a R$ 40 bilhões de lucro por ano. A fala da coordenadora do SEBRAE também girou em torno dos marcos regulatórios, principalmente a Lei Salão Parceiro que, mesmo ainda não estando totalmente ideal, já é um bom começo e, a partir desta lei, outras virão para facilitar mais ainda o crescimento do mercado. Outro ponto tocado por Andrezza foi o aplicativo Sshampoo, um facilitador da interação entre salões com cadeiras e horários vagos para determinados serviços com profissionais igualmente livres, havendo um ?match? entre ambos. Enfim, a apresentação, assim como a anterior, reforçou que os processos de gestão dos salões devem estar em sinergia com as novas tecnologias para se manterem competitivos.

Por fim, a última palestra do primeiro dia foi feito por Natalie Freire, gerente de negócios do Facebook e Instagram. Sua palestra esteve muito mais ligada às possibilidades que a tecnologia e as redes sociais podem oferecer aos salões de beleza como meio de divulgação do negócio. O Facebook, segundo a apresentação de Natalie, possui mais de 117 milhões de usuário, enquanto o Instagram está em torno de 45 milhões, ambos com grande nível de penetração nos lares dos brasileiros. Após passadas mais algumas estatísticas, a palestrante apresentou algumas dicas para posts em todos os formatos, desde os tamanhos dos textos, como usar imagens, vídeos e outros tipos de postagens em ambas as redes. 

O último dia foi finalizado com uma conversa entre Neto Paim, empreendedor e mentor de startups no programa InovAtiva Brasil; Cristina Borges, diretora de comunicação e digital da L'Oréal Produtos profissionais e os já palestrantes do dia, Alberto Serrentino e Andrezza Torres. Nessa conversa, os quatro profissionais discutiram as startups que trazem inovações na tecnologia de software todo o setor de beleza e como isso poderia beneficiar os salões do mercado.

Começando o segundo dia de fórum, o presidente da Associação Brasileira de Salões de Beleza, José Augusto, o consultor de assuntos sindicais da associação, Márcio Michelasi, e o assessor judírido da Anabel, Dr. Achiles Cavallo, discutiram o que realmente é alterado no dia a dia dos salões com a sanção da Lei Salão Parceiro. Logo em seguida, Silas Santiago, secretário-executivo do Comitê Gestor do Simples Nacional, pelo SEBRAE, falou também sobre os aspectos tributários que a nova Lei trás para os salões.

Após uma pausa para o almoço, o fórum trouxe um painel de cases de sucesso, com Rosangela Barchetta, sócia e proprietária da rede Studio W Cabeleireiros. Em sua apresentação, ela destacou valores fundamentais para que um salão possa prosperar no cenário atual do País, como originalidade e criatividade, afinal, as clientes conseguem perceber o que é algo genuíno e o que é uma tentativa de copiar algum outro negócio. Inovação é a chave para qualquer negócio, salões de beleza não são diferentes na visão de Rosangela. 

Após a apresentação de cases, o fórum avança em um painel sobre as tendências atuais, realizado por Daniela Dantas, responsável pela divisão de consultoria da WGSN na América Latina e realizadora de projetos de consultoria e pesquisa para marcas de varejo, moda, beleza e bens de consumo. E, por fim, o último painel contou com Robinson Shiba, presidente do Grupo TrendFoods que possui China In Box e Gendai dentre suas marcas, expondo alguns insights empreendedores que os donos de salões podem utilizar para a multiplicação de suas lojas.

Compartilhe

Comentários ()

© 2012 • Cosmética News. Todos os Direitos Reservados • Desenvolvido por Index Software

Voltar ao topo